Segunda-feira, 14 de Junho de 2021

Tecnologia
Sábado, 22 de Maio de 2021, 10h:07

Redes sociais são feitas para viciar

Depois do Tiktok, perdi a paciência com o YouTube, escreve Hamilton Carvalho

Fonte: Poder 360

Solen Feyissa/Unsplash

Pesquisa recente mostrou que metade dos jovens brasileiros checa seu smartphone compulsivamente. No país, a média de uso diário beira as 4 horas e vem crescendo ano a ano. Incrivelmente, as crianças participam desse jogo cada vez mais cedo, desde os 4 anos de idade.

Mães de crianças um pouco mais velhas me relatam preocupação com o último ator de sucesso no mundo das redes sociais, o TikTok, um aplicativo de vídeos bem curtos que teme-se possa estar reformatando os padrões de atenção de seus usuários.

 

O tema é muito novo e não encontrei pesquisas científicas com respostas satisfatórias. A mesma acusação de redução no intervalo de concentração já vinha sendo feita em relação a redes sociais mais antigas e à própria internet, mas até agora não parece haver comprovação robusta.

Porém, a suspeita é válida. Vivemos em um ecossistema digital que nos bombardeia 24 horas, 7 dias por semana, com estímulos diversos e com atores competindo sangrentamente por nossa mente, que inevitavelmente acaba se fragmentando.

Coletivamente, as evidências sugerem que passamos a ter a fugaz atenção de um esquilo drogado quando se trata dos grandes temas do momento. Isto é, o tema é digerido rapidamente e logo deixado de lado para dar lugar ao próximo.

Nesse contexto, não é novidade que as redes sociais, como o TikTok, são otimizadas para viciar, a ponto de já terem sido chamadas de cocaína digital. A equação do vício é conhecida e dissecada em livros como “Irresistível: Por que você é viciado em tecnologia e como lidar com ela“, do pesquisador Adam Alter.

A principal variável dessa equação é a recompensa aleatória. É a lógica da máquina caça-níquel, em que uma hora o prêmio vem. Nada é mais viciante para nosso cérebro e, por isso, o indivíduo continua retornando ao aplicativo ou tocando na tela alucinadamente. Nesse esquema de recompensa certa mas randômica, os circuitos cerebrais do hormônio da motivação, a dopamina, acendem como árvore de Natal e criam caminho para a compulsão.

Não se engane. Os apps estão em uma guerra armada para conquistar seus olhos e dedos, a ponto de, por exemplo, dosarem artificialmente o momento em que os usuários recebem curtidas, entre outras práticas questionáveis. É uma corrida ao fundo do poço.

Essas máquinas de sugar atenção cospem alguns prêmios irresistíveis. Um deles, que o TikTok é campeão em fornecer, é a coceira no tédio em um ambiente de hiperconectividade social. A rede das dublagens e dancinhas customiza a sequência de vídeos apresentada ao usuário com base no engajamento com o conteúdo previamente visto. Você recebe sempre mais daquilo que gostou.

O cardápio ali é amplo: vai de performances engraçadas e jovens dançando em trajes sensuais ao aprendizado de truques, como os que ensinam a ganhar dinheiro na internet. A sensação é a de viver um eterno aqui e agora, continuamente novo e diferente, alimentando a tentação do “só mais um”.

Outros elementos motivadores na plataforma, comuns no meio, têm natureza social e incluem as curtidas, a expectativa de viralizar e ganhar seguidores e, ainda, o famoso Medo de Ficar de Fora (FOMO, em inglês).

TikTok, de fato, parece ter dado um passo além dos seus concorrentes na otimização da equação do hábito, o que explica ter sido o campeão de downloads na pandemia e ter chegado a um número de participantes estimado em 800 milhões, com perfil majoritariamente jovem.

Como parte de sua estratégia, foi lançada há pouco tempo uma versão do aplicativo (“lite”) em que apenas se consomem os conteúdos. De quebra, foi criado um mecanismo de recompensas monetárias (em créditos de celular), em que tempo gasto vendo vídeos e códigos de outros usuários valem pontos. Há até um grupo no Facebook em que as pessoas pagam —isso mesmo— para que outros usem seu código.

Em resumo, artilharia pesada e bem calibrada para criar um playground virtual e fisgar mentes cansadas do mundo real.

IMPACIÊNCIA

Em evento recente produzido pela American Marketing Association, aprendi que a turma do TikTok dedica a ele 4 vezes mais tempo do que os instagramers, algo como 81 minutos por dia em média. 

É a rede da moda e, claro, as empresas e marcas estão de olho em tanta gente conectada. Naturalmente, querem produzir material engajador e “ativar” influenciadores (uma indústria de US$ 10 bilhões nos EUA). É do jogo.

Por fim, nessa breve pesquisa o que mais me marcou foi a repetição de certos comentários de usuários jovens. Sobram relatos de que não conseguem mais assistir a vídeos longos no YouTube ou a vontade de pular partes “chatas” de filmes.

Não sei se essa percepção é representativa; só o tempo e as pesquisas dirão. Especulo que essa impaciência veio para ficar.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.