Segunda-feira, 02 de Agosto de 2021

Polícia
Segunda-feira, 14 de Junho de 2021, 08h:40

INVESTIGAÇÃO CONTINUA

PJC identifica policiais envolvidos com miliciano morto no RJ

Fonte: Folha Max

Divulgação

A Polícia Civil investiga se policiais participavam de uma rede de proteção e informação para o miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, de 34 anos. O paramilitar foi morto em confronto com os agentes, na manhã deste sábado, na localidade Três Pontes, na Zona Oeste do Rio. O DIA apurou com fontes da corporação que os agentes identificados são policiais militares, que auxiliavam Ecko e sua quadrilha com informações privilegiadas em troca de propina.

Durante a coletiva de imprensa para falar da operação, o diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), delegado Felipe Curi, informou que o criminoso tinha relação com policiais."Posso afirmar que há policiais envolvidos (com o criminoso), inclusive, já temos alguns identificados e já estamos identificando outros. Temos muitas provas contra essas pessoas, que tinham envolvimento direto com a milícia do Ecko e com o Ecko propriamente dito, e que serão presas. Não vamos entrar em detalhes porque o trabalho está em andamento", declarou Curi.

O miliciano era procurado pela polícia há cerca de quatro anos e chegou a ser um dos criminosos com a recompensa mais cara no Portal dos Procurados do Disque-Denúncia. Ele passou a chefiar a quadrilha após a morte de seu irmão, Carlinhos Três Pontes.Ecko tinha uma grande rede de informantes, o que dificultava a sua captura. De acordo com a polícia, ele era informado até sobre passagens de viaturas nas estradas do Rio."O Ecko era tido por muitos como quase intocável, porque quando a gente apontava na Avenida Brasil, ele já era avisado que tinha um comboio indo, e essa informação de alguma forma chegava ao chefe da milícia, o principal chefe da milícia do Brasil", disse o subsecretário de planejamento da Polícia Civil, delegado Rodrigo Oliveira.  

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.