Sábado, 08 de Maio de 2021

Justiça
Sexta-feira, 16 de Abril de 2021, 12h:30

determinação do STF

Omar Aziz ganha força para presidir CPI da Covid; relator deve ser Renan

Braga, do Amazonas, era aventado Nome de Tasso, do PSDB, é citado

Fonte: Poder 360

Marcos Oliveira/Agência Senado

O nome do senador Omar Aziz (PSD-AM) ganhou força para assumir a presidência da CPI da Covid, instalada no Senado após determinação do STF (Supremo Tribunal Federal).

Aziz se apresenta como um congressista independente, ou seja, não está na base nem na oposição ao governo de Jair Bolsonaro. Por isso mesmo, é visto com certo alívio no Palácio do Planalto. Na equipe presidencial, o receio era que um nome da oposição assumisse o posto. Eles temiam que os trabalhos focassem exclusivamente nas ações do governo federal, como forma de fustigar a atual administração.

O presidente da comissão parlamentar de inquérito é o responsável por conduzir os trabalhos de investigação. É ele quem irá determinar as fases que o colegiado vai seguir e o ritmo dos trabalhos, por isso a importância do posto.

A relatoria, segundo as informações mais recentes da articulação entre os 11 membros da comissão, deve ficar com o MDB. Há dois nomes do partido na comissão: Renan Calheiros (MDB-AL) e Eduardo Braga (MDB-AM).

Braga disse ao Poder360 que não será ele, que o MDB postula a relatoria e que o senador Renan Calheiros está em campanha para ser o relator e que a sigla o apoia. A decisão final, entretanto, deve ficar a cargo do presidente.

O relator é quem prepara o parecer final, após os trabalhos serem realizados pelos 11 membros. É nessa peça que são sugeridos indiciamentos ou não. É um cargo chave para garantir que as investigações atinjam aqueles que eventualmente tenham cometido irregularidades ao longo da pandemia.

O tucano Tasso Jereissati (PSDB-CE) também é lembrado para a posição. Entre membros do chamado “centro político”, a sua ascensão ao cargo teria igualmente o efeito de colocá-lo em evidência para uma possível candidatura presidencial em 2022. Ele mesmo nunca mencionou a possibilidade em público.

No seu partido, duelam pela vaga de candidato os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

A definição dos nomes será oficializada na semana que vem. As possibilidades relatadas nesta 6ª feira (16.abr.2021) são uma fotografia do momento, e podem mudar até a decisão final.

 
 
Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.