Caldeirão Político

Domingo, 28 de Março de 2021, 11h:37

Parceria da Buser com empresas de ônibus faz serviço chegar a 200 cidades

Em 4 meses de atividades Startup planeja crescimento Entidade do setor é contra

Fonte: Poder 360

O sistema de parceria da Buserstartup de viagens de ônibus por aplicativo, com empresas rodoviárias já chega a 200 cidades em 20 Estados do país, segundo estimativas da empresa. Mais de 15.000 pessoas já foram transportadas pela modalidade, desde dezembro de 2020.

Conhecida como “Uber do ônibus”, a Buser abriu seu serviço para atender também as empresas de ônibus que operam a partir das rodoviárias. Funciona como um marketplace, em que a Buser entra com a plataforma e as empresas de ônibus, com o transporte nas linhas que já operam.

Em 4 meses de funcionamento, 20 empresas de ônibus fecharam a parceria. Por semana, cerca de 1.400 passageiros são transportados, em metade das cidades atendidas pela startup.

A parceria serviu para ampliar as cidades atendidas pelo aplicativo, antes restritas a grandes centros ou rotas com alta demanda de passageiros. A Buser entende que se trata de uma “democratização” do serviço de transporte rodoviário.

Marcelo Abritta, fundador e presidente da Buser, afirma que pretende ampliar o serviço. “Quando a gente vende mais para o parceiro, ele aumenta a ocupação e consegue reduzir ainda mais o preço unitário do bilhete e aumentar seu faturamento”. A plataforma exige que o preço da passagem não seja maior do que o oferecido no guichê da rodoviária.

 

 

Criada em junho de 2017, a Buser afirma ter mais de 3 milhões de usuários cadastrados em sua plataforma e já ter transportado 2 milhões de passageiros, com média diária de 15 mil viajantes.

Assim como no caso dos aplicativos de transporte individual, como o Uber, as viagens de ônibus por aplicativo são bem mais baratas do que o serviço convencional. Chegam a custar até 70% menos.

As empresas que têm licença do governo para fazer o transporte entre estações rodoviárias afirmam que só é possível ter preços assim porque o transporte nos ônibus de aplicativos é isento de obrigações como a de atender locais onde há pouca demanda.

Em entrevista ao Poder360, em dezembro de 2020, Abritta disse que há demanda até para cidades pequenas, que as concessionárias de transporte de passageiros nem sequer atendem.

Para fazer o transporte de pessoas entre cidades é preciso uma autorização da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre).

Segundo Letícia Pineschi, conselheira da  Abrati (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros), disse ao Poder360, em dezembro de 2020, que o aplicativo de viagens de ônibus só deveria ser usado por empresas que têm concessões de linhas entre cidades. Afirmou que o baixo preço das viagens pela Buser se deve ao não pagamento de ICMS (Impostos sobre a Circulação de Bens e Serviços) pelas empresas de fretamento.


Fonte: Brasil Notícia

Visite o website: brasilnoticia.com.br