Segunda-feira, 02 de Agosto de 2021

Artigos
Terça-feira, 24 de Novembro de 2020, 15h:22

DIOGO BOTELHO

A mensagem de Ulysses Guimarães

Corrupção houve até nas hostes celestiais, mas paletó só há em Cuiabá

DIOGO BOTELHO

No dia 5 de outubro de 1988, o presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Ulysses Guimarães, ao promulgar a Constituição exortou a nação: “Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.” (pág. 14.381).

É com base nesta mensagem que não tenho as mínimas condições de anuir com o símbolo nacional da corrupção. Não há precedente no mundo civilizado de candidato filmado naquelas circunstâncias ser consagrado, legitimado e justificado pelo voto popular!

Aliás, caro leitor, o que se debate nas consciências livres e republicanas é que em Cuiabá, não estamos a lidar com a corrupção em sentido genérico. Corrupção houve até nas hostes celestiais (que o diga o anjo de luz). Porém, o paletó só há em Cuiabá!

Transparência, ética, probidade e respeito com a coisa pública são os primeiros e comezinhos valores republicanos que jamais devem ser negociados. É o colostro que o cidadão deve ser nutrido para que possamos consolidar o sonho democrático.

Os meios de contenção a violência contra a mulher, a homofobia, raça, religião, de defesa da criança, do idoso e das pessoas com deficiência, ou seja, de proteção das minorias, somente serão viabilizadas se os primeiros valores republicanos forem preservados. Fora disso, é retórica populista!

É por isso que a mensagem de Ulysses Guimarães não foi um exercício de retórica, mas, sim, de pura lógica republicana e democrática.

Ulysses já tinha a exata compressão de que as promessas constitucionais serão em vão e só serão cumpridas se os gestores tiverem compromisso ético com a coisa pública, a República!

Assim, a prática ética antecede a qualquer formulação política, de maneira que o episódio do paletó, o símbolo nacional do fiel retrato da corrupção, uma vez chancelado pela soberana vontade popular é uma ameaça letal a Cuiabá, importando em precedente que irá corroer como ácido as nossas frágeis estruturas democráticas.

O paletó é uma ameaça a democracia. É a pior forma de autoritarismo. É a ditadura da corrupção.

Portanto, digo não a Emanuel, e sim a Abílio.


Como dizia o sábio Ulysses: Excelências, eis a realidade.

Diogo Botelho é advogado.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.