Teresina comemora 165 anos nesta quarta-feira (16)

Capital do Piauí foi batizada em homenagem à imperatriz Teresa Cristina, que interviu na mudança da sede do poder do estado em 1852

Imagem do portal Brasil

Em 1852, a imperatriz Teresa Cristina intercedeu, junto ao imperador Dom Pedro, pela mudança da então capital do Piauí, Oeiras, para a uma nova sede. Com a mudança, o lugar foi batizado de Teresina, em sua homenagem. Situada na divisa do estado com o Maranhão, no encontro dos rios Parnaíba e Poti, completa 165 anos nesta quarta-feira (16).

Teresina foi planejada como um tabuleiro de xadrez e oferece diversos atrativos naturais. No Parque Ambiental do Encontro das Águas, os rios Parnaíba e Poti se unem em direção ao Atlântico. No local, a Ponte Estaiada oferece um mirante de 95 metros de altura e vista panorâmica.

No bairro Poti Velho, os artesãos preservam a arte de tornear peças em argila retirada do rio. É nesse cenário de cultura e tradição que o corte de um bolo de 165 kg vai marcar o aniversário da cidade.

A gastronomia local conta até com o Festival Gastronômico Cabritos e Cordeiros, especializado em pratos de caprinos e ovinos. Os mais servidos nos mercados e feiras livres são a buchada de bode e o cabrito assado.

Também se destacam os peixes de água doce, a carne de sol com macaxeira, a paçoca, o baião de dois, a galinha à cabidela e o sarapatel (cozido de miúdos de porco). A Cajuína é uma bebida não alcoólica típica do Piauí e consumida em todos os bares e restaurantes de Teresina.

Ecoturismo

Teresina é a porta de entrada para alguns dos destinos turísticos brasileiros mais fascinantes. O Delta do Parnaíba é um deles. A unidade de conservação é formada por cinco canais que desaguam no oceano na divisa com o Maranhão.

São dezenas de ilhas, dunas e manguezais que formam um complexo ecossistema de natureza exuberante. O Delta integra a Rota das Emoções juntamente com os Lençóis Maranhenses (MA) e Jericoacoara (CE).

A Serra da Capivara é outro destino de natureza e ecoturismo que preserva a caatinga e centenas de sítios arqueológicos. Um tesouro de pinturas rupestres e beleza cênica que guarda os vestígios mais antigos da presença humana na América do Sul.

As informações são do Ministério do Turismo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*