Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

Política
Quarta-feira, 09 de Outubro de 2019, 13h:35

Operação Omertà

Operação Omertà: Senador Nelson teria comprado sentença ao seu favor

Redação

De acordo com as investigações da Operação Omertà foram apreendido documentos que apontam que o ex-prefeito e atual senador da república Nelsinho Trad (PSD), teria efetivado uma suposta compra de sentenças, que foram, colocados em ‘sigilo absoluto’ devido a implicação tanto do senador como de um desembargador, por ambos terem prerrogativa de foro especial.

Essas informações estão localizadas nas páginas 1201 à 1202, dos documentos apreendidos conforme afirma o inquérito. Na investigação também foi encontrada uma suposta compra de sentenças favoráveis a Nelsinho Trad por agravos de ações de improbidade administrativa com bloqueio de bens, que tramitam em uma das Câmaras Cíveis do TJMS.

Já o desembargador investigado é apontado como o relator nos dois casos com contas que indicam um total de R$ 4.500.000,00 (quatro milhões e quinhentos mil reais) que supostamente deveriam ser pagos aos membros da Corte pelos réus.

O juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 7ª Vara Criminal de Competência Especial de Campo Grande, informou que as cópias dos documentos já foram encaminhadas diretamente ao presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), o desembargador Paschoal Carmello Leandro, para conhecimento e eventuais providências, ‘inclusive eventual remessa de peças ao Superior Tribunal de Justiça e/ou Supremo Tribunal Federal’.

Homicídio, corrupção ativa e eleições ao Governo do Estado
Na investigação o senador Nelsinho Trad teria ido à casa do empresário Jamil Name no dia 13 de junho deste ano, para conversar sobre a intenção de disputar as próximas eleições ao Governo do Estado.
Além desse propósito, também foi apontado que o parlamentar é suspeito de fazer parte de uma suposta milícia armada, porte ilegal de armas de fogos de uso restrito, homicídio, corrupção ativa e passiva, entre outros.
Durante buscas autorizadas pela Justiça, no quarto de um dos investigados, foram encontrados, uma fita de gravação e talão de cheques, folhas de cheques e uma folha avulsa digitada. Um desses cheques e a folha encontrada são documentos que estão sob ‘sigilo absoluto’, segundo despacho do juiz.

Segundo o conteúdo do relatório encontrado, no primeiro recurso, o combinado seria que o relator concederia a liminar para desbloqueio de todos os bens, supostamente em troca de R$ 1 milhão, sendo R$ 200 mil para cada um dos réus da ação, que seriam Nelson Trad Filho e mais quatro pessoas.

No julgamento do mérito, seriam mais R$ 200 mil por réu, em um total de R$ 2 milhões. Teriam sido pagos R$ 200 mil em ‘diversas parcelas’, faltando ainda R$ 1,8 milhão, indicam as anotações apreendidas e encaminhadas que estão agora com o presidente do TJMS.

Ainda de acordo com as anotações, no outro recurso, teria ficado definido que seriam pagos R$ 250 mil por cada um dos cinco réus para desbloqueio de bens. O texto termina apontando que nada deste total de R$ 2,5 milhões teria sido quitado.

No documento também é apontado pelo autor das anotações, que um ex-secretário municipal, teria o procurado em um domingo de manhã em seu apartamento para conversar sobre o assunto.

 

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.