Terça-feira, 02 de Março de 2021

Política
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2021, 12h:45

O prefeito de Cuiabá

Emanuel diz que obra da Jurumirim foi uma "porcaria" e culpa Mendes por ter sido omisso quando prefeito

Fonte: Olhar Direto

Rogério Florentino/Olhar Direto

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), voltou a apontar os "canhões" contra o governador Mauro Mendes (DEM). A discussão da vez é quanto ao início das obras na trincheira Jurumirim, localizada na avenida Miguel Sutil, na Capital, que será interditada por sete meses para que seja praticamente refeita por conta de problemas de infiltrações. Segundo o gestor do município, o projeto foi uma “porcaria” porque o democrata foi “omisso” quando foi prefeito da capital. 

“Lembram no governo de quem foi feita esta obra? Quem era o prefeito? [Mauro Mendes foi prefeito de 2013 a 2016] Ele deixou fazer! Eu não deixo fazer porcaria, não sou omisso. Ele deixou arrebentar com Cuiabá. Agora está querendo corrigir e lançar como grande obra o que deixou acontecer. Não é perseguição, estou falando sem nenhuma retaliação. Apenas constatando fatos”, disparou Emanuel Pinheiro nesta sexta-feira (19).
 
O prefeito ainda pontuou que irá notificar quando necessário e não deixará que se faça “obra porcaria”. “Ninguém vai entrar aqui deste jeito, porque agora tem prefeito, ordem e gestão. Se não, vai ser o que eu herdei. A Secretaria de Obras Públicas vai ainda estudar o projeto, dizer se concorda ou não, para ai sim discutir o cronograma de início. Aqui, 8 de março eu não vou começar”.
 
Na quinta-feira (18), o titular da Secretária de Estado de Infraestrutura (Sinfra), Marcelo Padeiro, disse que as obras de ajustes na trincheira começam no dia 08 de março.
 
Marcelo afirmou que a obra começará pelas alças da trincheira, e depois virá a pavimentação. "Dia 8 estaremos em obras. Primeiro vamos trabalhar na parte estrutural da ida e volta e depois pavimentação. Lá tem N problemas que foram feitas. São obras que precisam ser feitas, senão em 10 ou 12 anos poderiam dar trabalho. A interdição será divulgada. Primeiro um lado e depois outro lado", disse Marcelo, sem passar muitos detalhes.
 
Mais cedo, o secretário de Obras de Cuiabá, José Roberto Stopa (PV), tinha avisado sobre a obra, mas ainda sem data. Stopa disse que a obra irá causar problemas no trânsito, pois devido as dilatações e infiltrações, mais de 1,5m de solo terá que ser recapeado.
 
Marcelo Oliveira ainda frisou que todo custeio da obra será feito pelo Governo do Estado, porém a empresa - que na época da Copa do Mundo fez a obra - será responsabilizada via processo movido pela Controladoria do Estado.
 
A construção da Trincheira Jurumirim foi paralisada em 2014, com 97,84% de execução, e faz parte do pacote de obras idealizado para Copa do Mundo daquele ano. O contrato original de execução chegou a ser judicializado.
 
Vários problemas
 
A trincheira Jurumirum, localizada na avenida Miguel Sutil, em Cuiabá e que deveria ter sido entregue em abril de 2014, tem sérios problemas que colocam em risco a vida dos motoristas que trafegam pelo local. A pista está com vários afundamentos e diversos buracos, o que pode acabar resultando em uma tragédia na parte interna da obra de arte. Além disto, as paredes sofrem com infiltrações. Ao todo, a obra orçada em R$ 50,5 milhões está com 97,84% de execução.
 
Em julho de 2015, já na parte de cima da trincheira, a Defesa Civil de Cuiabá pediu a interdição de meia pista, por conta o desmoronamento de parte da via após uma chuva torrencial. O local sofre com infiltrações desde o início da sua construção. Só em dezembro de 2016 é que os serviços foram realizados no local para a tentativa de correção do problema.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.