Pesquisa do DNIT vai ouvir mais de 500 mil motoristas sobre condições das rodovias federais

Ministério dos Transportes

A partir da meia noite do dia 1º de julho até o dia 7, condutores de veículos que passarem pelas das principais rodovias federais do país serão alvo da Pesquisa de Origem e Destino, do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). A ação, que vai levantar um diagnóstico socioeconômico das viagens nas rodovias federais, é a terceira etapa da pesquisa realizada pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Comando de Operações Terrestres do Exército Brasileiro (Coter).

Ao todo, 5 mil militares do Exército estarão posicionados em 123 postos das rodovias federais de 24 estados – com exceção do Amazonas, Roraima e Amapá – para aplicar um questionário aos motoristas de veículos de passeio e de carga sobre os motivos da viagem e as condições das estradas. Entre as principais rodovias da operação, estão a BR-116, BR-101, BR-153, BR-163 e BR-364. As coletas das informações acontecerão simultaneamente nas localizações disponíveis nos mapas do PNCT (Plano Nacional de Contagem de Tráfego). A pesquisa é voluntária e será feita por amostragem, de forma aleatória, por tipo de veículo. Toda a metodologia e tratamento dos dados sobre o fluxo de veículos são realizados pela UFRJ.

PLANEJAMENTO – A expectativa é de que mais de 500 mil entrevistas sejam realizadas nestes sete dias de levantamento. De acordo com o diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro Silveira, a pesquisa é fundamental para o aprimoramento das demandas por transportes nas rodovias e, assim, para a definição das ações de planejamento para o setor.

“Essa pesquisa é um momento de grande exposição do DNIT perante a sociedade e os usuários. É a oportunidade para identificarmos os gargalos e definirmos as prioridades de gestão para que possamos oferecer as melhores condições de trafegabilidade no país”, afirma Casimiro.

Pelo questionário são verificadas a origem e o destino dos motoristas, o tipo de carroceria, ano de fabricação do veículo, número de passageiros, tipo de combustível, motivo de escolha da rota, motivo de viagem e carga transportada, entre outras. Além disso, o condutor do veículo pode sugerir, dentro da rota seguida, os melhores municípios para a criação de um local de parada obrigatória de descanso.

Para a coleta dos dados, os militares vão utilizar 700 tablets adquiridos pelo DNIT. Ao final da última etapa da pesquisa, prevista para novembro de 2017, os equipamentos serão disponibilizados às superintendências regionais do DNIT para auxílio nos trabalhos de campo nas rodovias. Com isso, o governo poderá identificar os principais gargalos das rodovias federais e priorizar os instrumentos de gestão para melhorias no setor.

PESQUISA – A Pesquisa Origem e Destino teve início no ano passado, com a coleta das informações divididas em quatro etapas. Na primeira fase, realizada em julho de 2016 em 60 postos das cinco regiões do país, foram contados e classificados 3.549.768 veículos e entrevistados 210.984 condutores. Na segunda etapa, em novembro de 2016, também em 60 postos, a pesquisa contabilizou 297.242 mil entrevistas e 2.322.899 veículos.

A Pesquisa Origem e Destino é uma ação estratégica do PNCT do DNIT, que identifica, a partir desse diagnóstico socioeconômico, os gargalos logísticos dos principais corredores de transportes do país, a necessidade de expansão ou adequação de capacidade das rodovias, e de projetos para construção ou manutenção da malha rodoviária brasileira. Além da pesquisa, ainda faz parte do PNCT o levantamento de contagem permanente automatizada, outro importante instrumento de gestão para elaboração do planejamento da manutenção da malha rodoviária brasileira.

Clique aqui e ouça a veiculação nas rádios.

Assessoria de Comunicação
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*