Pedido da oposição para ouvir Janot é rejeitado pela ministra Rosa Weber

Foto: Agência Brasil/Central de Conteúdo

A sessão no Plenário da Câmara dos Deputados começou às 9 horas da manhã, com a leitura do parecer do relator Paulo Abi-Ackel, do PSDB, que recomendava o arquivamento da denúncia. Em seguida, o advogado Antônio Cláudio Mariz apresentou a defesa do presidente Michel Temer.

Alguns deputados reclamaram por não terem a oportunidade de ouvir, em plenário, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Foi Janot quem apresentou ao Supremo Tribunal Federal a denúncia contra Michel Temer, pelo crime de corrupção passiva.

Para o deputado Wadih Damous, do PT, faltou tempo para debater o assunto.

A base de apoio ao governo queria começar a votação ainda durante a manhã, mas o quórum de 342 deputados só foi alcançado por volta das 3 e meia da tarde e a votação começou depois das seis horas.

O deputado Júlio Delgado, do PSB, disse que levar a votação para a noite fazia parte da estratégia da oposição, para que os brasileiros pudessem acompanhar a sessão pelos meios de comunicação.

Para o deputado Carlos Marun, do PMDB, a estratégia não fazia diferença, porque o governo já tinha os votos necessários.

A oposição chegou a protocolar um mandado de segurança no Supremo, para ouvir Rodrigo Janot e para que, em vez do parecer de Abi-Ackel, o plenário votasse a própria denúncia da Procuradoria-Geral da República. Antes mesmo da votação, a ministra Rosa Weber rejeitou o pedido. Para ela, tratava-se de um assunto interno da Câmara. As informações são da RadioAgência Nacional/Central de conteúdo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*