Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019

O Bocão
Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019, 16h:42

Júnior Bozzella criticou Bolsonaro

Deputado do PSL diz que ‘não vai ter moleza’ com colegas insatisfeitos

Fonte: Poder 360

Luis Macedo/Agência Câmara

Em meio ao racha no PSL, o deputado federal Júnior Bozzella (PSL-SP) afirmou nesta 4ª feira (16.out.2019) ao Poder360 que alguns congressistas podem ser expulsos do partido a partir de processos internos que serão instaurados. Ele não citou nomes.

“Vão ter direito ao contraditório, mas vai ser instaurado 1 processo e todas as punições previstas no estatuto serão seguidas à risca. Não vai ter moleza”, afirmou.

Questionado sobre quais deputados poderiam ser expulsos, disse que são “esses aí que estão querendo fazer graça”. De acordo com ele, é “o pessoal que gosta de falar para a internet, é 1 ou outro”. 

 

VAI UM CAFEZINHO?

O deputado também afirmou que “não é do estilo do presidente [Jair Bolsonaro] receber deputados”. Bozzella foi questionado se Bolsonaro atenderia aos congressistas do PSL que não foram ao Palácio do Planalto na semana passada. Naquela ocasião, o presidente recebeu 1 grupo que o apoia.

“O presidente não teve o costume de receber os deputados. Não sei se vai adotar essa prática a partir de agora. (…) Se o presidente resolver tomar 1 café, a gente pode ir. É uma prerrogativa do presidente chamar, e é uma prerrogativa do deputado querer tomar o café com o presidente”, disse.

Bolsonaro voltou a dizer nesta 4ª feira (16.out) que defende a “transparência” dentro da sigla. A fala aconteceu de manhã, na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.

De acordo com Bozzella, o PSL “está mais do que transparente”. Para ele, a ala da sigla que faz esse pedido “quer o poder pelo poder”.

 

BANCADA ‘COESA’, MAS NEM TANTO

Apesar da divisão em duas alas –uma pró-Bolsonaro, outra pró-Luciano Bivar, presidente do PSL– Bozzella disse que a bancada está coesa para as votações.

O congressista afirmou que o partido é “aliado”, e não “alienado”. As votações dos integrantes da sigla na Câmara, disse ele, serão “de acordo com as bandeiras”:

“Se o Palácio [do Planalto] estiver de acordo com o povo, vamos votar de acordo. Vamos manter nossa conduta. A bancada vai continuar sendo orientada nesse sentido.”

No entanto, Bozzella afirmou que o alinhamento ao governo não quer dizer “apoio automático”. O deputado citou exemplos de posições do Planalto que não correspondem, segundo ele, ao posicionamento da bancada:

“A gente é contra, por exemplo, o Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras] no Banco Central. A gente é a favor da Lava Toga. Somos contra a lei de abuso de autoridade…”

Ele acrescentou que há deputados que mudaram suas posições quando foram eleitos:

“É o que a maioria ampla dos parlamentares defendeu no processo de eleição. Tem uma minoria na bancada que na eleição defendia uma coisa, mas depois passou a não defender mais.”

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.