Mato Grosso: Estadual de futebol americano tem final inédita neste domingo

Imagem : Junior Martins

O campeão da 3ª edição do Campeonato Mato-grossense de Futebol Americano será definido neste fim de semana, no domingo (25.06), a partir das 17h, em partida entre Sorriso Hornets e Sinop Coyotes, no Estádio Municipal Egídio José Preima, na cidade de Sorriso (398km de Cuiabá-MT). Um confronto inédito entre equipes que nunca se encontraram numa final de estadual mato-grossense. E os ingressos são comercializados ao valor de R$ 10,00 (inteira) e R$ 5 (meia).

O Cuiabá Arsenal (bicampeão estadual) e o Sinop Coyotes (bi-vice-campeão estadual) foram os dois protagonistas das finais das duas edições anteriores da competição (2015 e 2016). Mas, de acordo com o presidente da Federação Mato-grossense de Futebol Americano (FMTFA), Júlio Cesar Garcia, neste ano (2017), o Cuiabá Arsenal não conseguiu classificar para a final e perdeu a hegemonia no estadual. E o Sorriso Hornets disputará pela primeira vez essa final.

“A nova configuração de resultados do campeonato aponta o desenvolvimento das equipes do interior. Hornets, Coyotes e Hawks conseguiram, por causa de gestão esportiva profissional, conquistar a confiança do setor privado e obter patrocinadores. Com isso fizeram investimentos na gestão, na comissão técnica e nos jogadores. E a perspectiva é de que, daqui para frente, só teremos estaduais competitivos. Isso é ótimo para a modalidade e para o público”, diz Garcia.

Expansão

A quantidade de equipes expandiu de seis para nove em Mato Grosso. Existiam Cuiabá Arsenal, Sinop Coyotes, Sorriso Hornets, Rondonópolis Hawks, Tangará Futebol Americano e Várzea Grande Sabertooth, esse último estava inativado e retomou atividades em 2017. E, do segundo semestre de 2015 para cá, surgiram mais três equipes, Galaxy Football (2015), Luverdense Overwhelming (2016) e Bravus Parecis (2017).

“Nossa modalidade esportiva tem prosperado ano após ano. Temos mais times, mais atletas nas equipes, mais pessoas nos processos de peneira, o interior formou público torcedor, avançamos com os times femininos e, neste ano, teremos dois representantes a competir na 1ª divisão do futebol americano brasileiro, o Arsenal e o Coyotes. O que falta é maior apoio das prefeituras e de uma política estadual de suporte permanente”, conta o presidente da FMTFA, Júlio Garcia.

Apoio Público

O 3º Campeonato Mato-grossense de Futebol Americano contou com a participação de cinco clubes, Cuiabá Arsenal, Sinop Coyotes, Sorriso Hornets, Rondonópolis Hawks e Luverdense Overwhelming. E, dentre eles, alguns tiveram apoio das prefeituras municipais e outros não.

“A prefeitura de Sinop não apoia em nada. Nem com diesel ou ônibus para viagens. Havia um ônibus velho para isso, mas foi doado e nunca adquiriram outro. Acredito que a falta de apoio se dá pelo desconhecimento dos governantes sobre a importância do esporte. Parece que não entendem que muda vidas, tira crianças das drogas e forma caráter. Aliás, temos um time infantil que é mantido por nós, sem nenhum apoio”, diz o presidente do Coyotes, Ricardo Bonadimann.

“A prefeitura de Lucas do Rio Verde deu apoio. Como o estádio estava embargado, a prefeitura ajudou com a liberação de outros campos para jogos, com as pinturas, os banheiros químicos, tendas e arquibancadas. E também nos cederam ônibus para viagem e ambulância para jogos locais. Com certeza essa ajuda foi extremamente importante. Não conseguiríamos participar do estadual sem esse apoio”, avalia a presidente do Overwhelming, Maikeline Borges.

“Não tivemos o apoio da prefeitura de Rondonópolis. A única contribuição foi de permitir o uso do estádio Luthero Lopes, que é patrimônio público e hoje só é usado por uma equipe de futebol e pelo Hawks. Mas esperamos ter apoio da prefeitura no 2º semestre. Já que participaremos do campeonato brasileiro e levaremos o nome da cidade para nível nacional. E teremos longas viagens para fora do estado”, disse o presidente do Hawks, Mateus Barozi.

“A prefeitura de Acorizal foi nossa grande apoiadora. Ela nos cedeu estádio para realizar os jogos com mando de campo. Se não fosse por ela, não teríamos onde jogar. Mas a prefeitura de Cuiabá também deu um pouco de ajuda. Ela cedeu local para treino. Durante um tempo nos deixou treinar no estádio Dutrinha e hoje deixa no Dom Aquino. E temos esperança de apoio durante o brasileiro do segundo semestre”, fala o presidente do Arsenal, Paulo Cesar Machado.
por Junior Martins

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*