Kim Jong-un se orgulha do desenvolvimento de suas “valiosas” armas nucleares

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, se orgulhou de que seu país continue desenvolvendo o “valioso” programa nuclear “para defender sua soberania das ameaças dos Estados Unidos”. Ele assegurou que a economia nacional está crescendo, apesar das sanções.

Os comentário foram feitos em uma reunião do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia, que abordou nesse sábado (7) a situação do país e aprovou algumas nomeações de funcionários de alto escalão, informou hoje (8) a agência estatal norte-coreana “KCNA”.

“As armas nucleares da República Popular Democrática da Coreia [nome oficial da Coreia do Norte] são um valioso fruto da sangrenta luta do seu povo para defender o destino e a soberania do país das prolongadas ameaças nucleares dos imperialistas americanos”, disse o líder durante a reunião.

Kim Jong-un também declarou que a atual situação demonstra que foi “totalmente acertada” a política de apostar de maneira simultânea no desenvolvimento da economia e do arsenal nuclear. Ele pediu a continuidade, “de maneira invariável, por este caminho no futuro”.

Segundo as declarações divulgadas pela “KCNA”, o líder norte-coreano assegurou que “a economia nacional cresceu este ano com grande força”, apesar das duras sanções impostas pela comunidade internacional, em resposta ao programa nuclear e de mísseis do regime.

Durante a reunião do comitê, que acontece pelo menos uma vez ao ano, a irmã mais nova do líder norte-coreano, Kim Yo-jong, foi eleita entre os novos membros do comitê permanente do partido.

Além disso, Choe Ryong-hae, um colaborador muito próximo do líder, se tornou membro da Comitê Central Militar do Partido dos Trabalhadores, enquanto o ministro de Exteriores, Ri Yong-ho, foi escolhido membro do comitê permanente, detalhou a agência estatal.

A reunião desse sábado marcou o 72º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores da Coreia, uma das datas mais importantes do calendário norte-coreano. As informações são da Agência Brasil e Agência EFE.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*