Sábado, 07 de Dezembro de 2019

Justiça
Quarta-feira, 04 de Dezembro de 2019, 08h:22

Sindicato dos Delegados de Mato Grosso

Sindicato "repudia" remoção e diz que não há fundamento legal

Delegados eram lotados na Fazendária e devem ser remanejados para Diretoria Metropolitana

Mídia News

O Sindicato dos Delegados de Mato Grosso emitiu nota, nesta terça-feira (3), em que "repudia" a forma como os delegados Anderson Veiga e Lindomar Tofoli foram remanejados da Delegacia Contra Crimes Fazendários (Defaz).

Os dois foram afastados das suas atribuições na Defaz na semana passada. De acordo com o delegado-geral da Polícia Judiciária Civil, Mário Dermeval de Resende, a decisão foi tomada em razão do enxugamento da estrutura da Defaz.

 

Na nota, a presidente do sindicato, Maria Alice Barros Amorim, afirma que o remanejamento dos profissionais foi feito “sem razões fáticas e fundamentação legal”.

“É importante ressaltar que se trata de dois delegados de ilibada conduta, extremamente competentes e experientes no combate ao crime contra a ordem tributária e administração pública, sempre trabalharam com independência e autonomia e nunca se submeteram a pressão externa no exercício de suas funções”, consta na nota.

Conforme o sindicato, agora os dois delegados serão lotados na Diretoria Metropolitana da Capital. À reportagem, a diretoria da Polícia Judiciária Civil não confirmou a informação sobre o destino dos dois delegados.

A Diretoria Metropolitana tem funções mais burocráticas que a Defaz. Sua estrutra concentra todas as atividades das delegacias de Cuiabá e Vázea Grande, como delegacias da Mulher, da Criança e do Adolescente, de Roubos e Furtos, Roubos e Furtos de Veículos e Homicídios.

“Suas trajetórias foram marcadas pela defesa da sociedade com idealismo e convicção, possuem uma história em Mato Grosso construída com muito trabalho e dedicação e, portanto, gozam de irrestrito apoio e consideração de toda a categoria”, completou.

Nos bastidores, especula-se que o remanejamento de Veiga e Tofoli teria sido motiviado por uma suposta “retaliação política”. 

Isso porque, recentemente Tofoli e Veiga teriam recebido uma denúncia contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) e a incumbência de "incriminá-lo", com base em um boletim de ocorrência feito pela servidora da Saúde municipal Elizabete Maria de Almeida. 

Ela acusa o prefeito de oferecer dinheiro a vereadores para cassar o mandato de Abílio Júnior (PSC), que responde a um processo por quebra de decoro na Comissão de Ética da Câmara.

Ocorre que, segundo Emanuel, os delegados se recusaram a dar qualquer tipo de encaminhamento à denúncia, por entenderem não haver base sólida nas acusações. 

Por conta disso, o prefeito afirmou que ambos os delegados foram ameaçados de retaliação por parte da diretoria da PJC.

 

Veja nota na íntegra:

A Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia de Mato Grosso, Maria Alice Barros Martins Amorim, vem a público repudiar a forma como os Delegados Anderson Veiga e Lindomar Tofolli então lotados na Delegacia Fazendária, na data de hoje, foram removidos da unidade e lotados na Diretoria Metropolitana.

A remoção se deu em ato administrativo sem razões fáticas e fundamentação legal.

É importante ressaltar que se trata de dois Delegados de ilibada conduta, extremamente competentes e experientes no combate ao crime contra a ordem tributária e administração pública, sempre trabalharam com independência e autonomia e nunca se submeteram a pressão externa no exercício de suas funções.

Suas trajetórias foram marcadas pela defesa da sociedade com idealismo e convicção, possuem uma história em Mato Grosso, construída com muito trabalho e dedicação e, portanto gozam de irrestrito apoio e consideração de toda a categoria.

O Sindicato e Associação dos Delegados de Polícia de Mato Grosso se manterão vigilante em defesa das prerrogativas e dos direitos destes grandes profissionais. 

 

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.