Sábado, 17 de Novembro de 2018

Justiça
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018, 12h:14

Mato Grosso

Empresário teria se reunido com Taques para manter esquema

Da Redação

João vieira

Apontado na delação do empresário Alan Malouf como quem “apresentou” os esquemas que poderiam ser usados para financiar o suposto caixa 2 da campanha do governador Pedro Taques (PSDB) de 2014, o empresário Willians Mischur afirmou em depoimento na Delegacia Fazendária (Defaz) que se reuniu pessoalmente com o tucano naquele e que, uma semana depois, repassou os R$ 900 mil citados pelo delator.    

O depoimento foi prestado em maio de 2016 e nele, segundo reportagem da TV Centro América, Mischur sustenta que não recebeu nenhuma nota sobre a doação para a campanha. O dinheiro teria sido repassado em três parcelas, sendo R$ 500 mil em espécie e R$ 400 mil por meio de dois cheques.     

A declaração confirma, não apenas a delação de Alan Malouf, mas a do ex-governador Silval Barbosa, que citou o esquema o esquema de cobrança de propina que envolvia a empresa Consignum, propriedade de Mischur. Segundo Malouf, esse esquema teria continuado na gestão Pedro Taques. Conforme o delator, a doação foi feita para garantir a continuidade do contrato da empresa com o Estado.     

Malouf ainda relata que a doação ocorreu mesmo diante do fato de Pedro Taques saber que o contrato com a Consignum era alvo de investigação. Ele pontua também que o valor não foi contabilizado no caixa 2 da campanha, mas numa espécie de “caixa 3”, já que a arrecadação não passou por ele, mas pelo ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, na época, coordenador jurídico na campanha.      

Já Silval Barbosa disse em depoimento na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, em julho do ano passado, que Willians Mischur lhe revelou ter conversado com Paulo Taques sobre dar continuidade ao contrato com a Consignum. “Esse contrato é importante para mim. Já conversei com Paulo Taques e, se o grupo político dele ganhar, eu vou continuar na próxima gestão”, teria dito o empresário ao ex-governador.     

 

Outro lado   

Na sexta-feira (19), quando o sigilo da delação de Malouf foi derrubado, o governador Pedro Taques disse, por meio de nota, que os depoimentos não trouxeram nenhum fato novo e que as contas de sua campanha de 2014 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.   

Já Paulo Taques disse que só vai só se pronunciar após ter acesso a delação.   

Willians Mischur não foi localizado para comentar o assunto.

 

Com informações e texto do Gazeta Digital

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.