Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019

Justiça
Sábado, 02 de Novembro de 2019, 11h:47

Ele destaca tentativas de obstrução

Em evento em Curitiba, Moro defende federalização do caso Marielle

Fonte: Poder 360

Rafael Lopes/Poder360

O ministro da Justiça Sergio Moro defendeu nesta 6ª feira (1º.nov.2019), em evento na PF (Polícia Federal) de Curitiba, defendeu a federalização das investigações sobre a morte da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes.

“Considerando a demora de identificação dos mandantes e essas reiteradas tentativas de obstrução da Justiça, talvez seja o caso realmente de federalização”, disse. A medida passaria o caso à PF.

De acordo com Moro, o governo assegura a autonomia dos órgãos que apuram fatos e nega qualquer interferência da pasta que comanda. “O Ministério da Justiça não trabalha nessas investigações”, afirmou.

Na última 4ª feira (30.out.2019), Moro pediu para que o MPF (Ministério Público Federal) entrasse nas investigações. A oposição ao governo no Congresso Nacional já criticou a possível federalização do caso, alegando que isso seria 1 “retrocesso”.

Na última 3ª feira (29.out.2019), reportagem do Jornal Nacional revelou depoimento de porteiro que disse que, no dia do assassinato de Marielle, 1 dos suspeitos do crime foi até o condomínio e afirmou, na portaria, que iria para a casa de Jair Bolsonaro, então deputado federal. O porteiro teria ligado para a casa e ouvido voz do “Seu Jair” autorizando a entrada.

No mesmo dia, o depoimento foi contestado pelo presidente, que mostrou que estava na Câmara dos Deputados no dia. Em seguida, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) afirmou que o porteiro mentiu sobre o episódio.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.