Caldeirão Político

Quinta-feira, 03 de Outubro de 2019, 09h:12

O chefe, que pena, nem sempre é um líder

Celso Estrella

Durante muitos anos venho me deparando com debates sobre liderança.

O assunto é empolgante porque afeta todas as pessoas em diferentes situações de vida, no seu trabalho, na comunidade, na família, no esporte e até no jogo de truco.

Por exemplo, defendo a tese que a liderança pode ser aprimorada e acreditar que a pessoa já nasce líder não passa de justificativa para a falta de vontade de desenvolver-se.

De todo modo, quando o indivíduo é promovido a um cargo de chefia, tem que assumir a responsabilidade pelos resultados do setor e para que isso aconteça vai depender do desempenho das pessoas. Se o novo chefe tiver as competências necessárias à boa liderança terá sucesso na empreitada, caso contrário, mais cedo ou mais tarde, será substituído e a empresa terá amargado os prejuízos decorrentes desse erro.

Mas afinal, porque isso acontece? Porque se promove alguém indevidamente?

Posso apontar algumas razões para a reflexão do leitor:

A primeira é a urgência. Quando não há planejamento, quando não se tomam as providencias para preparar um substituto interno à altura ou mesmo iniciar um processo de contratação no mercado com a devida antecedência, opta-se por escolher quem estiver disponível relegando a um segundo plano a questão da liderança.

Outra situação muito comum é a de se escolher o melhor profissional da equipe e premiá-lo com a promoção e com isso geralmente se erra duplamente pois, além de não podermos mais contar com nosso melhor profissional para desempenhar o trabalho, ganhamos um chefe ineficaz.  Agora teremos que buscar 2 pessoas no mercado.

Também não é raro que se designe para posições de chefia pessoas da nossa maior confiança, que certamente demonstrarão um esforço honesto para dirigir o grupo mas fracassarão por falta de liderança.

A grande maioria das pessoas concorda que chefiar é administrar recursos para alcançar os objetivos determinados pela direção da empresa e portanto, alguém que tem formação técnica teria tudo para controlar materiais, equipamentos e processos, se pudesse faze-lo sozinho, porém dependerá sempre de pessoas para realizar as tarefas e, se não tiver as competências necessárias ao líder, não terá sucesso.

Como superar essa situação? A resposta é simples porém exige disciplina e planejamento e nossas recomendações mínimas são:

Concluindo, chefes podem ser nomeados e, a bem da verdade, qualquer pessoa pode assumir a chefia de um departamento mas só terá sucesso se for um líder !


Fonte: Brasil Notícia

Visite o website: brasilnoticia.com.br