Segunda-feira, 19 de Abril de 2021

Geral
Segunda-feira, 01 de Março de 2021, 18h:24

propinas pela JBS

Zé Teixeira aguarda mais de dois anos pela devolução de objetos apreendidos na Vostok

Fonte: O Jacaré

Divulgação

O primeiro secretário da Assembleia Legislativa, deputado estadual José Roberto Teixeira, o Zé Teixeira, aguarda há mais de dois anos pela devolução de documentos, celular e computadores apreendidos na Operação Vostok. Ele foi denunciado por corrupção passiva junto com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no esquema de pagamento de R$ 67,791 milhões em propinas pela JBS em troca de incentivos fiscais.

Nesta segunda-feira (1º), o ministro Felix Fischer, relator do inquérito 1.190 no Superior Tribunal de Justiça, determinou o arquivamento de um dos pedidos porque há pedido pendente semelhante. O advogado Carlos Marques admitiu que há dois recursos com o mesmo objetivo, no inquérito 1.190 e na Ação Penal 980.

Conforme o defensor, o deputado pedi a devolução de contratos de propriedade, telefone celular e computado do escritório de Dourados, que foram apreendidos pela Polícia Federal em 12 de setembro de 2018. “Ante o exposto, havendo identidade de causa de pedir e de pedido, resta configurada a litispendência”, concluiu Fischer, determinando o arquivamento deste pedido.

Teixeira não é o único com pedido de restituição de coisas apreendidas no STJ. No final de 2019, o advogado Rodrigo Souza e Silva, filho do governador, e o empresário Ivanildo da Cunha Miranda, delator na Operação Lama Asfáltica, também solicitaram a restituição dos produtos apreendidos. No entanto, os pedidos não foram analisados pelo relator da Operação Vostok no STJ.

Como houve o desmembramento da denúncia, com o envio para a Justiça estadual a denúncia referente a 23 pessoas, inclusive Teixeira, a probabilidade é de que a devolução seja decidida pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul ou por um juiz das varas criminais de Campo Grande.

Reinaldo vai ser o único réu a ser julgado pela Corte Especial do STJ porque possui foro especial por ser governador do Estado. Ele também queria ser julgado pela primeira instância, mas o pedido foi negado por Fischer e pelo plenário. O tucano alega que os supostos crimes, que causaram prejuízo de R$ 209,750 milhões aos cofres estaduais, ocorreram no primeiro mandato.

O governador também tem pedidos pendentes de julgamento, como o feito em 2019 para desbloquear os bens. Toda a família do tucano, inclusive a esposa, Fátima, e os três filhos, estão com R$ 277 milhões bloqueados para garantir a devolução da suposta propina e o ressarcimento dos prejuízos causados aos cofres públicos.

Na semana passada, o desmembramento foi comemorado em live pelo governador, conforme o Midiamax. O Jacaré apurou apenas que Reinaldo assegurou aos secretários que provará a inocência e deixará claro que foi vítima dos “vagabundos da JBS”.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.