Segunda-feira, 19 de Abril de 2021

Geral
Terça-feira, 30 de Março de 2021, 10h:00

Garantirá acesso a vacinas e testes

Líderes mundiais propõem tratado para se preparar para próximas pandemias

Garantirá acesso a vacinas e testes E compartilhamento de informações Também novos sistemas de alerta Brasil não faz parte até o momento

Fonte: Poder 360

Divulgação

A OMS (Organização Mundial de Saúde) e 25 chefes de Estado apoiaram um tratado internacional proposto pela União Europeia. O objetivo é criar mecanismos para auxiliar os países em futuras emergências de saúde. Uma nova pandemia como a de covid-19 é vista como inevitável. O Brasil não faz parte da iniciativa até o momento.

O diretor da OMS, Tedros Adhanom, disse que espera que o novo tratado esteja pronto para ser assinado em maio. “Os 194 Estados-membros da OMS vão agora iniciar as negociações e esperamos ter uma resolução em maio, quando será realizada a assembleia anual da entidade“, disse em entrevista.

Os objetivos e mecanismos do documento ainda podem ser alterados. Estados Unidos, Rússia e China são potências que ainda não concordaram com o tratado. Mas mesmo com as negociações, a OMS espera que 3 pontos não sejam alterados: a garantia de medicamentos, vacinas e testes para todos os países; o compartilhamento de informações científicas, incluindo a descoberta de novos vírus; e o estabelecimento de sistemas comuns para a prevenção e emergência em saúde.

 

Para Adhanom, a pandemia de covid-19 demonstrou que é necessário um “compromisso universal“. Líderes mundiais como Angela Merkel, da Alemanha, Boris Johnson, do Reino Unido, e Emmanuel Macron, da França, concordam com a avaliação do diretor da OMS. Em comunicado conjunto, eles afirmaram: “A pandemia de covid-19 é um lembrete forte e doloroso de que ninguém está seguro até que todos estejam seguros“.

Os líderes dizem que vacinas são um bem público global e que é preciso garantir que todos os países tenham acesso à imunização. Também afirmam que a saúde de seres humanos, animais e do planeta é uma responsabilidade compartilhada e deve ser tratada com solidariedade, cooperação e transparência global.

Esse posicionamento vem depois de críticas da OMS em relação à distribuição de vacinas no mundo. O próprio Adhanom já afirmou que os países mais ricos dificultavam a compra de vacinas pelo consórcio Covax Facility, que tem como objetivo a distribuição igualitária das vacinas.

Agora, a iniciativa do tratado internacional mostra uma mudança no discurso dos países com renda mais alta. “Estamos convencidos de que é nossa responsabilidade, como líderes de nações e instituições internacionais, garantir que o mundo aprenda as lições da pandemia covid-19”.

Além da OMS e do Conselho Europeu, os países que assinam a defesa de um novo tratado internacional relacionado à saúde global são:

  • Espanha;
  • Reino Unido;
  • Portugal;
  • Alemanha;
  • Grécia;
  • Coreia do Sul;
  • Fiji;
  • Tailândia;
  • Itália;
  • Romênia;
  • Ruanda;
  • Quênia;
  • Chile;
  • Costa Rica;
  • Albânia;
  • África do Sul;
  • Trinidad e Tobago;
  • Holanda;
  • Tunísia;
  • Senegal;
  • Sérvia;
  • Noruega;
  • Indonésia; e
  • Ucrânia.
Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.