Segunda-feira, 19 de Abril de 2021

Geral
Terça-feira, 10 de Março de 2020, 10h:18

ELEIÇÃO AO SENADO

Emanuel "descumpre" orientação do MDB e coordenará campanha de Campos

Partido de Carlos Bezerra homologará apoio a Otaviano Pivetta

Fonte: Folha Max

Divulgação

Apesar do MDB decidir pelo apoio à pré-candidatura do vice-governador Otaviano Pivetta (PDT) nas eleições ao Senado, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) sinaliza que pedirá "aval" para apoiar o ex-governador Júlio José de Campos (DEM). Inclusive, o democrata conta com o prefeito na coordenação de sua campanha em Cuiabá.

 

Emanuel justifica seu apoio a Campos como forma de fortalecer a representatividade da Baixada Cuiabana no Congresso Nacional. Pivetta, ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, tem representatividade no Médio-Norte. “O peso maior é a construção de uma candidatura da Baixada que una ao Estado, no caso com Júlio Campos”, disse Pinheiro indicando uma união política com o democratas. 

As declarações foram dadas em seu gabinete, no Palácio Alencastro, após a assinatura do financiamento para a construção do Contorno Leste. Em entrevista a imprensa, Emanuel explicou que já havia dialogado com lideranças de outros partidos como o PRB, PDT, PSB, PP e PSDB para discutir a possível composição de um arco político durante a eleição suplementar. 

“Eu e o deputado Emanuelzinho entramos em um outro consenso lá atrás consenso. Então, esse processo, discutirmos bastante a importância da baixada cuiabana ser protagonista de um processo traumático que foi a cassação da senadora Selma Arruda. Se construiu vários possíveis candidatos, Júlio Campos, Max Russi, Neri Geller e Nilson Leitão. No final Neri e Nilson recuaram para a unidade mas não houve acordo entre Julio e Nilson”, explicou.

 

Em janeiro deste ano, o prefeito cuiabano já havia discutido sobre o assunto com Júlio. Na ocasião também estavam presentes o senador Jayme Campos (DEM), a prefeita Lucimar Campos (DEM), os deputados federais Neri Gueller (PP) o Emanuelzinho (PTB), e o deputado estadual Max Russi (PSB), durante um jantar na capital. 

Esta é a segunda vez que Emanuel "descumpre" a orientação partidária. Em 2018, ele preteriu o projeto de Mauro Mendes (DEM) - com quem o MDB se coligou - e foi um dos coordenadores da candidatura do senador Wellington Fagundes (PL) ao Governo do Estado. Na ocasião, isso "aflorou" ainda mais a rivalidade entre o prefeito e governador.

COORDENAÇÃO

Nesta segunda, Júlio Campos disse que a estratégia para sua campanha está definida e conta com Emanuel em seu projeto. Ele disse à imprensa que o prefeito será o coordenador da campanha em Cuiabá e citou que outro membro do MDB também irá apoiá-lo.

“O prefeito Emanuel será meu coordenador de campanha, sim. Ele, o deputado Romoaldo Júnior, pediram liberdade ao MDB para apoiarem minha campanha. Lá em Várzea Grande quem irá comandar é a prefeita Lucimar [Sacre de Campos]. E em todo Mato Grosso, o coordenador geral, o chefe maior da campanha será o senador Jayme Campos”, 

REELEIÇÃO

Durante a coletiva de imprensa, Emanuel foi enfático ao comentar uma possível reeleição. Empolgado com as ações a frente do Palácio Alencastro, ele declarou que “acha” que não será candidato. Contudo, caso não “embarque” na disputa, disparou que vai buscar algum substituo que de continuidade no modelo da atual gestão.

 “Eu quero deixar o legado para Cuiabá, se eu não ser candidato, nós temos que ter candidatos comprometidos com a nossa cidade, comprometidos com os mais carentes e comprometidos com o desenvolvimento econômico da sociedade e da capital”.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.