Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019

Geral
Quarta-feira, 14 de Agosto de 2019, 10h:00

Petista agradeceu a ‘solidariedade’

Em carta, Lula agradece Maia e congressistas por atuação contra sua transferência

Fonte: Poder 360

Reprodução/Ascom PCdoB

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta de agradecimento ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pela atuação dele e de congressistas contra a sua transferência da Polícia Federal no Paraná para a penitenciária 2 de Tremembé, em São Paulo.

A carta foi entregue a Maia por líderes da oposição nessa 3ª feira (13.ago.2019). No texto, o ex-presidente escreveu: “Com fé no Brasil e a certeza de que ainda vamos reencontrar a Justiça, a prosperidade e a paz, agradeço o gesto de solidariedade”.

Lula ainda afirmou que o pedido de sua transferência é uma “arbitrariedade da Vara de Execuções Penais no processo em que fabricaram minha condenação sem prova de qualquer crime”. Segundo o presidente, a ação dos congressistas foi uma “inequívoca demonstração de defesa das garantias individuais e do Estado Democrático de Direito”.

Ao receber a carta, Maia disse acreditar que a decisão tomada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de barrar a transferência o ex-presidente foi a mais acertada. “É preciso respeito às nossas leis e a nossa Constituição”, disse.

Além de Maia, a mensagem foi direcionada a outros líderes, como o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (PRB-SP), representantes de partidos de centro-direita e oposição, e demais deputados e participantes que estiveram em ato para que o STF negasse a transferência de Lula. Eis a carta:

Transferência de Lula

Em 7 de agosto, a juíza federal Carolina Lebbos autorizou a transferência de Lula de Curitiba para o presídio 2 de Tremembé, em São Paulo, atendendo a 1 pedido da Superintendência Regional da PF no Paraná. O órgão afirma que a carceragem em Curitiba é destinada para presos provisórios e que, desde a prisão do ex-presidente, o local virou espaço de conflitos e manifestações, afetando a rotina na PF.

No mesmo dia, por 10 votos a 1, o plenário do STF vetou a transferência do petista para seu Estado de origem. O tema foi pauta no plenário por indicação do ministro Dias Toffoli, presidente do STF, que reuniu-se com congressistas pouco antes da sessão.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.