Sábado, 26 de Setembro de 2020

Estados
Quinta-feira, 06 de Agosto de 2020, 15h:03

POLÍTICA

TRE reprova contas da campanha de Taques

Conforme os técnicos da Corte Eleitoral, Pedro Taques arrecadou R$ 2,4 milhões na campanha e contraiu despesas de R$ 4,8 milhões

Noticia Max

Redação

O Tribunal Regional Eleitoral reprovou, por unanimidade, as contas da campanha eleitoral de 2018 do ex-governador Pedro Taques (PSDB) e do então candidato a vice, o pecuarista Rui Prado (PSD). Ainda cabe recurso. O julgamento ocorreu durante sessão realizada na manhã quinta-feira (6).

O processo teve como relator o juiz Sebastião Monteiro. Seguiram o voto do relator os membros do TRE: Fábio Henrique Rodrigues de Moraes Fiorenza, Bruno D’Oliveira Marques, Jackson Francisco Coleta Coutinho, Gilberto Lopes Bussiki e Sebastião Barbosa Farias.

A Procuradoria Regional Eleitoral também deu parecer pela reprovação das contas. Conforme os técnicos da Corte Eleitoral, Pedro Taques arrecadou R$ 2,4 milhões na campanha e contraiu despesas de R$ 4,8 milhões.

Também foram detectadas irregularidades não sanadas, como como uma despesa de R$ 17,4 mil com a empresa Sal Aluguel de Carros Ltda., que não possuía qualquer tipo de documento que comprovasse o gasto (contrato, fatura ou nota fiscal, por exemplo), despesa de R$ 30 mil com a empresa Data Talk Agência de Tecnologia e Comunicação, que teria sido cancelada, mas não houve apresentação de documento comprobatório. Ainda duas notas fiscais no valor de R$ 300 não registradas na prestação de contas caracterizando omissão de despesas ou dívidas e campanha não registradas.

Taques ficou em terceiro lugar na eleição de 2018, tendo recebido 19% dos votos.

Eleito governador no primeiro turno, Mauro Mendes (DEM) teve 58,69%, enquanto o segundo mais votado, o senador Wellington Fagundes (PL), recebeu 19,56%.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.