Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018

Estados
Terça-feira, 04 de Dezembro de 2018, 11h:26

campo grande / ms

Operação nacional tem dois integrantes de facções criminosas como alvos em MS

Divulgação

Uma megaoperação policial ocorre na manhã desta terça-feira (4) em 14 Estados e no Distrito Federal para prender 266 suspeitos de envolvimento com facções criminosas e o tráfico de drogas.

 

As operações ocorrem nos Estados do Acre, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins, além do DF.

A operação é capitaneada pelo GNCOC (Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas), que reúne todos os Gaecos do país — órgão dos MPs responsável pelo combate ao crime organizado.

Segundo informações do Ministério Público Estadual de Alagoas, dezenas de promotores de justiça e forças policiais cumprem os 266 mandados de prisão contra supostos integrantes de seis facções: PCC (Primeiro Comando da Capital, de origem paulista); CV (Comando Vermelho), TCP (Terceiro Comando Puro) e ADA (Amigo dos Amigos), todas cariocas; PCV (Primeiro Comando de Vitória, capixaba); e a paraibana Okaida RB, uma dissidência da Okaida.

 

Além das ordens de prisão, são cumpridos 203 mandados de busca e apreensão. No Tocantins, a Casa de Prisão Provisória de Palmas passa por inspeção para busca de armas, drogas, explosivos, celulares e listas cadastrais das facções.

"O Ministério Público brasileiro, por meio do GNCOC e dos Gaecos, vem adotando medidas eficientes no desmantelamento e prisão dos principais líderes das facções criminosas presentes em território nacional. É uma luta baseada na inteligência e com foco na desestruturação desses organismos criminosos violentos. Vamos vencer, tenho certeza disso", afirma Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, procurador-geral de justiça de Alagoas e coordenador do GNCOC.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.