Quinta-feira, 23 de Maio de 2019

Estados
Quarta-feira, 15 de Maio de 2019, 08h:31

BLOQUEIO

Com 16 bolsas da Capes bloqueadas, USP de Piracicaba vive incerteza durante processo seletivo

A Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), de Piracicaba (SP), informou nesta terça-feira (14) que 35 bolsas de conceitos 6 e 7 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), foram desbloqueadas. Outras 16 bolsas seguem cortadas.

Em princípio, a Capes havia bloqueado 51 bolsas de pós-graduação na Esalq. A comissão de pós-graduação da universidade confirmou a restituição das 35 que são dos conceitos 6 e 7, considerados de excelência, e aguarda um comunicado da Capes para saber se as que seguem cortadas, de conceitos 4 e 5, serão retomadas.

O corte ocorreu em meio ao processo seletivo de mestrado e doutorado da Esalq. Segundo o vice-presidente da comissão, Carlos Eduardo Pellegrino Cerri, 16 programas de pós-graduação tinham como expectativa convocar de 100 a 150 estudantes para o segundo semestre. "O número de ingressantes vai ter que ser menor do que o pensado", lamenta.

"Isso é um problema porque nós estamos justamente agora na metade para o final de um processo seletivo de ingressante para mestrado e doutorado", explica Cerri.
O vice-presidente contesta a afirmação de que as bolsas cortadas estavam ociosas. "Essas bolsas, não é que são ociosas. O que acontece é que quando um estudante termina o doutorado em março, a partir do momento em que ele defende, não pode mais usufruir dessa bolsa. Essa bolsa vai ser usada por novos estudantes".

Suspensão de bolsas de estudo da Capes 'fere de morte' o ensino, diz associação
Unicamp confirma restituições de 15 bolsas de pós-graduação pela Capes

Cerri explica que o corte impacta na programação tanto da instituição quanto dos estudantes selecionados. "A gente pretende dar o resultado desse processo seletivo agora neste mês para a pessoa ter um tempo para se programar. Muitos estudantes vêm de outras regiões do pais. Há uma mobilização para mudar de uma região para outra e agora os programas vão ter que rever".

O professor também lamentou os cortes sob a perspectiva de que a Esalq é referência em pesquisas no agronegócio, setor que está diretamente ligado aos bons resultados da economia nacional.

"Um país que não investe em pesquisa está fadado a não colher frutos em algum momento. O Brasil, se está conseguindo se segurar de alguma forma, poderia estar pior se não fosse o agronegócio".

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.