Escândalos denunciados ao TSE derrubaram presidente do PHS

Reprodução

Alvo de várias acusações de filiados, uma delas a de ter utilizado verbas do fundo partidário para beneficiar empresa da própria família, o empresário Eduardo Machado foi afastado da presidência do PHS (Partido Humanista da Solidariedade) pelo Tribunal Superior Eleitoral. O ministro e presidente do TSE, Gilmar Mendes, acatou as razões apresentadas pelo Conselho Gestor Nacional da legenda e decidiu afastar Machado, além de oficializar a indicação do deputado federal Marcelo Aro para substituí-lo.

De acordo com as denúncias, Machado empregou verbas do fundo partidário para adquirir quatro carros de luxo em uma concessionária de sua família. Esta foi uma das acusações que vêm sendo lançadas contra a conduta do empresário na direção do partido. Ele já havia sido afastado antes, também por causa de escândalos denunciados pelos correligionários.

Em 2017, Machado foi afastado depois que o Conselho de Ética recebeu uma representação da presidência do Conselho Fiscal. O então dirigente teve questionada a prestação de contas do ano anterior, nas quais o Conselho encontrou irregularidades que o envolviam em acúmulo de cargos e manipulação dos salários que auferia no exercício da presidência.

Por causa das denúncias, veiculadas também pela imprensa, em setembro do ano passado o ministro Gilmar Mendes determinou que a Polícia Federal, a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) e o Supremo Tribunal Federal (STF) tomassem as providências cabíveis para investigar os fatos e, eventualmente, enquadrar Machado por desvio de verba.

FECHOU A SEDE – Outros desmandos foram apontados por militantes. Trabalhadores contratados pela legenda o acusavam de não pagar seus salários e até de fechar a sede do PHS no Lago Sul, em Brasília, além de empregar uma prima para prestar assessoria jurídica à Fundação que faz parte da estrutura orgânica partidária.

Em 2014 o PHS elegeu cinco deputados federais e 11 estaduais no Brasil. Mas nos últimos dois anos, apesar dos desgastes, a legenda vem recebendo novas filiações e atraindo lideranças em todas as regiões. O novo presidente, deputado federal Marcelo Guilherme de Aro Ferreira, é mineiro e vai fazer 31 anos em junho.

O PHS nasceu como sucessor do PSN (Partido da Solidariedade Nacional), PHD (Partido Brasil Solidariedade) e do PSL (Partido do Solidarismo Libertador). Em 31 de maio de 2000 o TSE aprovou o registro do PHS com o número 31 para identificação eleitoral. As informações são do portal MS Notícias.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*