Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2021

Economia
Terça-feira, 01 de Dezembro de 2020, 10h:35

Nike será controlada pela Fisia

Centauro conclui compra da operação da Nike no país por R$ 1,032 bilhão

Receita do grupo SBF dobra Vai de R$ 3 bi para R$ 6 bi Nike será controlada pela Fisia

Fonte: Poder 360

Divulgação

O grupo SBF, controlador da Centauro, rede de lojas de artigos esportivos, concluiu a compra da operação comercial da Nike no Brasil por R$ 1,032 bilhão. Com o fechamento do negócio, o grupo praticamente dobra de tamanho. Passará de uma receita de pouco superior a R$ 3 bilhões e vai para cerca de R$ 6 bilhões.

O acordo de compra foi anunciado em 2 de fevereiro e foi aprovado pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) em 4 de novembro. O conselho, no entanto, considerando a necessidade de haver mecanismos que desestimulem eventuais condutas anticompetitivas resultantes da operação, garantindo o bom funcionamento do mercado e os interesses dos consumidores, condicionou algumas regras para o fechamento do negócio, como a separação das unidades de negócio da Centauro e da Nike do Brasil.

Cumprindo as regras do Cade, a distribuição da marca Nike no país ficará concentrada na nova empresa do grupo, que se chamará Fisia. Ela vai reunir as 31 lojas físicas da Nike, o site da marca e a venda dos produtos para outras varejistas.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a Fisia será dirigida por Karsten Koeler, que liderava a distribuição da Nike antes da venda da companhia para o grupo SBF. Apesar da distribuição estar concentrada numa nova empresa, a marca Nike continuará na fachada das lojas. O grupo negociou o direito de explorá-la por 10 anos.

Atualmente, a rede da Centauro tem 209 lojas em 26 unidades da Federação e 20 milhões de clientes.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o presidente do SBF, Pedro Zemel, disse que as operações da Centauro e da Fisia serão mantidas separadas, inclusive fisicamente. A sede da Centauro, com 6.300 funcionários, continua no bairro paulistano da Lapa, e a da Fisia, com 1.200 empregados, fica no bairro vizinho da zona oeste, na Lapa de Baixo.

Zemel afirmou que, apesar disso, o consumidor poderá comprar produtos pelo site da Nike e retirá-los em lojas da Centauro. A varejista será comandada por Claudio Assis, ex-diretor de operações.

“A Nike.com tem um potencial enorme e os 2 negócios juntos conseguem ter uma oferta maior para o consumidor final do que separados”, disse.

Zamel disse ainda que grupo SBF vai agora reunir as áreas de tecnologia, finanças, marketing, logística e a cadeia de suprimentos com o objetivo de oferecer novos serviços. Serão cerca de 500 funcionários que trabalharão nos 3 andares do Edifício Birmann, na avenida das Nações Unidas, onde antes funcionava a editora Abril.

“Quero ser um ecossistema: conhecer não só o que o consumidor compra, mas toda a sua jornada para oferecer produtos e serviços específicos, como personal trainer, indicação de grupos de corrida, por exemplo.”

 

 

Isoladas fisicamente, essas áreas atenderão às duas empresas do grupo por enquanto. “Vamos servir a tantas outras que a gente consiga construir ou comprar”, diz o executivo, dando indicações dos próximos movimentos que estão no radar do grupo.

A companhia encerrou o 3º trimestre deste ano com a receita de R$ 1,5 bilhão. Zemel disse que parte dessa cifra foi usada na compra da operação de distribuição da Nike no país. O restante do dinheiro será direcionado para a abertura e reforma de lojas da Centauro e investimentos em tecnologia. “Aquisições menores evidentemente cabem nesse cheque, mas se tivermos de fazer um movimento maior, daí é outra discussão.”

O grupo SBF também está investindo em profissionais de tecnologia para desenvolver produtos e serviços específicos de inovação para as lojas. Recentemente, contratou 100 profissionais, entre engenheiros de software, cientistas de dados e designers, além de ter se aproximado de startups.

Indagado sobre a abertura de lojas da Centauro no próximo ano, o executivo evitou falar em números. Analistas de mercado que acompanham o desempenho da empresa, que tem ações na Bolsa, calculam que existam entre 20 e 30 novas lojas programadas para 2021.

ACORDO COM O CADE

Em nota, o Cade informou que o ACC (Acordo em Controle de Concentrações) firmado com o grupo SBF estabelece, entre outras medidas, a separação das unidades de negócio da Centauro e da Nike do Brasil.

Dessa forma, os colaboradores da equipe comercial da Nike do Brasil não poderão prestar serviços à Centauro, assinarão acordos de confidencialidade, e estarão sujeitos a quarentena para eventual transferência para a equipe comercial da Centauro.

Além disso, as informações e documentos referentes à atuação comercial da unidade de negócios da Nike do Brasil serão mantidas de forma segregada das bases de dados da Centauro dentro dos sistemas do Grupo SBF.

A Nike também deverá manter uma estrutura, denominada CaSA, que implementará mecanismos para supervisionar atividades da SBF. O grupo SBF terá a obrigação de informar e fornecer à CaSA reclamações recebidas de terceiros relacionadas a potenciais práticas anticompetitivas em relação à distribuição de produtos da Nike. A CaSA se comprometerá a discutir com a SBF ou realizar uma investigação das reclamações recebidas.

Além disso, o acordo também estabelece que a SBF terá um canal de denúncias independente para que terceiros e colaboradores reportem eventuais práticas discriminatórias ou anticompetitivas, bem como a ocorrência de acesso a informações concorrencialmente sensíveis.

As obrigações assumidas no acordo serão acompanhadas por um monitor externo (trustee), independente, ao qual caberá a apresentação de relatórios com informações para verificação do cumprimento dos compromissos relativos ao tratamento não discriminatório. Também deverão ser informadas ao Cade eventuais discriminações não competitivas e troca de informações sensíveis entre Centauro e Nike do Brasil.

O acordo é válido por um período de 3 anos, contados a partir da data de aprovação, renováveis por mais 2 anos, caso seja comprovadamente necessário. O acordo estabelece ainda a aplicação de multa em caso de descumprimento parcial ou total das cláusulas estipuladas.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.