Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019

Cidades
Sábado, 27 de Julho de 2019, 18h:02

Homem fazia ameaças à vítima

Pastor casado é preso suspeito de estuprar adolescente abrigada

Fonte: Midia Max

Divulgação

Pastor de 29 anos foi preso preventivamente na manhã deste sábado (27), em Naviraí, a 359 quilômetros de Campo Grande, por suspeita de estuprar uma adolescente de 15 anos. Os dois se conheciam por meio de uma instituição assistencialista onde a menor está abrigada. Não é descartada possibilidade de que o homem tenha abusado de outras jovens.

De acordo com a delegada Sayara Quinteiro Martins Baetz, titular da DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher), o caso chegou ao conhecimento da Polícia Civil na última terça-feira (23). A vítima informou o presidente da instituição a respeito dos fatos. Este, por sua vez, formalizou denúncia à polícia e a adolescente foi encaminhada para depoimento especial.

A vítima contou que havia saído do meio familiar por sofrer violência e, por este motivo, foi abrigada. Ela relatou que há dois anos passou a ser assediada pelo pastor. No final do ano passado, ele começou a estuprá-la mediante ameaça. “Ele falava para ela não contar para ninguém, porque ele era casado. Caso ela contasse, ele enviaria ela de volta para o ambiente familiar em que era agredida”, disse a delegada.

O pastor era da direção da instituição e tinha contato direto com as abrigadas. O homem tinha a função de levar as adolescentes para a escola e para cultos religiosos, oportunidade em que aproveitava para violentar a vítima. “Representamos pela prisão preventiva dele, que foi decretada e ele foi preso na manhã deste sábado”, pontuou Sayara.

A polícia apura agora se outras menores também foram abusadas. “Nós já ouvimos mais uma adolescente que disse ter sido assediada por ele, agora continuamos com as investigações”.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.