Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Artigos
Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020, 15h:36

FRANCILEIDE FONTINELLE

Jovem eleitor, não abra mão do seu voto!

Acabou o egoísmo, o narcisismo selfie, a obsessão pelo consumo e a passividade que isso acarreta

FRANCILEIDE FONTINELLE

Acabou o egoísmo, o narcisismo selfie, a obsessão pelo consumo e a passividade que isso acarreta. Há uma geração que quer salvar o mundo, mas ainda não sabe como.

 

Cresceu em plena recessão, em um mundo fustigado pelo terrorismo, índices de desemprego galopantes e uma sensação apocalíptica provocada pelas mudanças climáticas e, mais recente, pela pandemia do Coronavírus.

 

São a Geração Z, o grupo demográfico nascido entre 1994 e 2010, cujos jovens (queiram ou não falar ou se envolver em política) representam o futuro da governança do nosso país.

Na época em que eles nasceram, a internet já existia e se popularizava com o surgimento da banda larga. O pendrive era lançado para substituir o disquete, consoles de videogames ganhavam a segunda versão e a globalização engolia toda a sociedade.

 

A geração 2020, formada pelos 3,5 milhões de brasileiros nascidos no ano 2000, é a primeira 100% digital. Eles votaram em 2018 já em urnas digitais, e consideram o direito ao voto essencial.

 

No entanto, muitos se mostram desiludidos com a política por causa do excesso de escândalos de corrupção. Outros não querem nem saber do ringue ideológico que se transformou o debate político, onde até amizades de longa data são desfeitas por causa de posicionamentos contrários.  

O problema é que essa desilusão geral pode paralisar esse enorme grupo representativo exatamente no momento em que ele deveria sair às ruas – mais especificamente às urnas para garantir os seus direitos.

 

A participação de eleitores com 16 e 17 anos de idade no pleito de novembro será a menor em uma eleição brasileira desde 1990, após o voto facultativo ser instituído na Constituição de 1988. Estão aptos a votar este ano pouco mais de 1 milhão de eleitores desse grupo etário, número 55% menor que o contabilizado em 2016.

No Estado do Mato Grosso a estatística acompanha a queda preocupante: temos 15,8 mil eleitores cadastrados na faixa de 16 e 17 anos, ante 29,5 mil em 2016.

 

E não dá para colocar a culpa dessa baixa adesão somente no isolamento social pois a curva de queda já vinha sendo observada nos últimos anos, apesar de estar bem mais acentuada em 2020.

Para quem já nasceu on-line, com possibilidades quase infinitas de comunicação, modelos tradicionais têm poucos atrativos. Movimentos sociais organizados, união de estudantes e legendas, antes essenciais na mobilização política, perdem cada vez mais espaço para a internet. Hoje se conversa muito mais sobre a política ideológica e muito pouco sobre a política partidária, mas ambas são de vital importância.

 

Porque no nosso modelo atual, para disputar uma eleição, para ter um mandato eletivo, para fiscalizar o que acontece na política, é necessário entender e acompanhar a política partidária. Mas fundamental mesmo é marcar posição através do voto.

Essa nova geração já nasceu com larga vantagem em relação às outras pois o dinamismo proposto pela web superdimensiona a interação, o que é um facilitador para quem quer se organizar politicamente. O lado complicado é quando a mobilização virtual vira o meio exclusivo de interlocução da juventude para tratar sobre política.

 

E a baixa participação entre os jovens aptos a votar não é um bom sinal para a democracia, pois torna-se ainda mais difícil a tarefa – necessária - de formar cidadãos ativos, que intervenham na vida pública e promovam uma renovação geracional, fortalecendo as instituições e oxigenando as esferas de poder.

Quando a juventude toma para si a responsabilidade da renovação o mundo inteiro é obrigado a se curvar. Malala Yousafzai virou a voz do mundo contra as atrocidades do Talibã com apenas 11 anos.

 

O paquistanês Iqbal Masih se tornou, aos 12 anos, um símbolo da luta contra o trabalho infantil. Claudette Colvin é uma americana que iniciou aos 15 anos uma batalha jurídica referencial contra a segregação racial. Pedro I proclamou a independência do Brasil com apenas 24 anos e os líderes da Revolução Francesa tinham entre 17 e 25 anos, para citar só alguns exemplos.

Num dos filmes do Homem Aranha o tio do herói encoberto Peter Park diz ao sobrinho que grandes poderes sempre vêm acompanhados de grandes responsabilidades. Guardadas as proporções, há muita semelhança desse episódio do mundo fantástico com a realidade dos jovens que poderão, se assim o quiserem, comparecer às urnas nessas eleições.

 

E meu apelo, vai diretamente para os Zes, essa geração que já nasceu ´muito mais tudo´ do que a nossa. Lembrem-se da célebre frase do historiador Arnold Toynbee que diz que “o maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam.”

 

Ou mesmo uma versão mais dura do dramaturgo Bertolt Brecht, que sentenciou: “que continuemos a nos omitir da política. É tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem”. Vamos inverter essa premissa. A gente costuma dizer que o jovem é o futuro, mas o futuro se faz agora. O jovem é o presente.

Francileide Fontinelle é professora.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.