Sábado, 25 de Maio de 2019

Agronegócio
Quarta-feira, 17 de Abril de 2019, 18h:16

Soja

“Venda agora, enquanto ainda há lucro”, diz especialista

Fonte: Agrolink

Reprodução

Com baixa na demanda chinesa, lucro ao redor de 9,32% não é garantido no 2º semestre.

“Nossa recomendação é a mesma que já vínhamos alertando há várias semanas: vender nos preços atuais, que ainda proporcionam algum lucro. Porque a perspectiva é negativa para o segundo semestre”. A afirmação é do analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica.

“Neste momento o agricultor ainda tem algo ao redor de 9,32% de lucro sobre os custos totais de produção. Não podemos garantir que os tenha no segundo semestre”, diz Pacheco. O especialista explica que o grande problema será a desaceleração na demanda da China, que teve que eliminar  200 milhões de cabeças de suínos.

Nesta terça-feira essa baixa começou a repercutir em Chicago, pois o gigante asiático pode reduzir sua compra de soja em, no mínimo, 10% segundo estimativa do Vertical Group, de Nova York. “Nós achamos que pode ser mais, justo em um ano em que a produção mundial deverá aumentar 20 milhões de toneladas (MT), passando de 340MT para 360MT, segundo o último relatório do USDA”, explica o analista da T&F. 

 

A China deveria importar 88 MT nesta temporada. Se cair apenas 10%, irá para 79,2 MT, o que aumentaria os estoques mundiais, que já são os mais altos dos últimos 3 anos: 115,97 MT. “De qualquer forma, a China não mais irá comprar aqueles milhões de toneladas que os americanos querem (e precisam), para reduzir os seus estoques”, alerta.

A primeira consequência já é sentido, com a demanda diminuindo drasticamente. “Parece que todo mundo está desistindo de tudo”, disse Virginia McGathey, da McGathey Commodities. Segundo ela, a paciência de traders está no limite por causa da indefinição nas negociações para o fim da Guerra Comercial.

 

“Com uma demanda bem menor e uma produção maior, tanto nos EUA, quanto na América do Sul, os chineses ficam em posição confortável para negociar com os norte-americanos. E a esperança de preços mais altos em Chicago e ao redor do mundo fica adiada para o próximo ano, sendo otimista”, aponta Pacheco.

A segunda consequência é um aumento da posição vendidas dos Fundos de Investimento em Chicago, que tem um grande peso sobre a tendência das cotações. “Vendas agressivas realizadas por fundos de investimento acentuaram as perdas. Operadores acreditam que os Fundos tenham vendido 5.200 contratos de soja nesta terça-feira”, foi a informação recebida depois do pregão desta terça-feira.

Comentários










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.